Saci

 

O Saci, personagem do folclore brasilero é apresentado até como filho do Curupira, numa fantástica concepção que, de alguma forma, pode até adquirir certa coerência se tomarmos as variantes em que o Curupira e o Caipora são seres distintos, sendo o segundo, numa delas, uma mulher unípede que anda aos saltos.

Pequeno ser, negrinho, perneta, sempre pulando numa perna só, capuz vermelho vivo enterrado na cabeça, fumando caximbo,  às vezes fazendo o bem e, muitas outras, o mal. Nas casas, passa a infernizando os afazeres domésticos, queimando a comida, apagando o fogo no meio de uma fervura, escondendo coisas, batendo portas e entornando líquidos.

No campo, abre porteiras, espanta a criação e o gado, dispara cavalos, nos quais traça crinas e caudas em emaranhados difíceis de destrançar.
Personagem, visível ou invisível, sempre soltando irritantes assovios e pulando, e é mais conhecido no sul.
Ele se faz anunciar por um assobio estridente e adora fumar, aliás essa é uma forte característica do Saci, visto que é difícil imaginá-lo sem seu cachimbo.

O Saci também é daqueles fumantes que nunca trazem consigo fósforos ou isqueiros e, por isso, sempre aterroriza os viajantes pedindo-lhes fogo.