Diferença entre um remédio genérico e o original

Muita gente ainda desconfia dos remédios genéricos e paga muito mais, até 3 vezes ou mais por um original. Mas você sabe qual a diferença entre um medicamento genérico e um original?

Os medicamentos genéricos foram criados com a aprovação da Lei 9.787 de 10 de fevereiro de 1999, que definiu as normas para a fabricação em conformidade com as exigências da OMS – Organização Mundial da Saúde – que são adotadas nos países de Europa, Canadá e Estados Unidos. O objetivo final é fornecer ao consumidor um produto mais barato e com qualidade garantida.

A partir do ano de 2000 iniciou-se o registro dos primeiros medicamentos genéricos. Sendo concedido neste ano, 182 autorizações de fabricação. Os primeiros remédios, com a mesma formulação, que ficariam por um preço mais em conta.

Definição oficial de Medicamento genérico

É aquele que contém o mesmo princípio ativo, na mesma dose e forma farmacêutica, é administrado pela mesma via e com a mesma posologia e indicação terapêutica do medicamento de referência, apresentando eficácia e segurança equivalentes à do medicamento de referência podendo, com este, ser intercambiável. A intercambialidade, ou seja, a segura substituição do medicamento de referência pelo seu genérico, é assegurada por testes de equivalência terapêutica, que incluem comparação in vitro, através dos estudos de equivalência farmacêutica e in vivo, com os estudos de bioequivalência apresentados à Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Os medicamentos genéricos podem ser identificados pela tarja amarela na qual se lê “Medicamento Genérico”. Além disso, deve constar na embalagem a frase “Medicamento Genérico Lei nº 9.787/99”. Como os genéricos não têm marca, o que você lê na embalagem é o princípio ativo do medicamento.

Definição de medicamento similar

É aquele que contém o mesmo ou os mesmos princípios ativos, apresenta mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica, e que é equivalente ao medicamento registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária, podendo diferir somente em características relativas ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículo, devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca.

Medicamento de referência

É um produto inovador, registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária e comercializado no País cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente junto ao órgão federal competente por ocasião do registro, conforme a definição do inciso XXII, artigo 3º, da Lei n. 6.360, de 1976 (com redação dada pela Lei nº 9.787 de 10 de fevereiro de 1999). A empresa interessada em registrar medicamentos genéricos e/ou similares deverá utilizar obrigatoriamente o medicamento de referência constante nas listas vigentes disponíveis nesta página (lista A e lista B) de acordo com os requisitos específicos da RDC 35 de 15/06/2012, que dispõe sobre os critérios de indicação, inclusão e exclusão de medicamentos na Lista de Medicamentos de Referência.

Diferença entre um remédio genérico e o original

  • Só o preço

Vantagens dos medicamentos genéricos

  • Tem preço no mínimo 35% menor que os originais de referência
  • O objetivo foi de reduzir o preço dos medicamentos original, já que teriam um concorrente mais barato que seriam os genéricos
  • Viabilizar o acesso aos medicamentos tão eficiente quanto os originais, mas com um preço bem menor.

Quanto a qualidade

Os genéricos são todos rigorosamente monitorados peno Ministério da Saúde e tem na fórmula os mesmos componentes que os originais, só que são mais baratos.

Por que são mais baratos?

Porque os fabricantes não tiveram que desenvolver uma fórmula desde o início, investindo dinheiro e tempo com pesquisas que muitas vezes levam muitos anos até que se chegue ao produto final. Os fabricantes dos genéricos só fabricam usando os mesmos produtos da fórmula original e com isso conseguem ter um custo mais baixo.

Como identificar que o remédio é genérico?

Conforme exigência da lei 9.787 de 1999, todos os medicamentos genéricos são identificados com

  • Tarja amarela em volta da caixa
  • Escrito claramente: Medicamento Genérico
  • Só contém o nome do princípio ativo do remédio (Como exemplo é o Anador que o genérico só diz “Dipirona sódica”)

Portanto, comprando o medicamento original, você só vai estar pagando mais pelo mesmo produto. Mesmo assim, tem muita gente que não aceita levar para casa um genérico, alegando que não faz o mesmo efeito, o que não é verdade, já que, a fórmula é a mesma e rigorosamente controlado pela OMS.

Lista dos medicamentos genéricos atualizada até 03/08/16

Ou quem só toma o original acha que quando precisar ficar internada em um hospital eles usam os medicamento originais? Só usam os similares ou genéricos e você nem fica sabendo, mas vai sair de lá totalmente curada.

Comparação de preço

  • Anador de 20 ml custa em torno de R$ 15,00, enquanto que um genérico, a dipirona, custa a partir de R$ 3,00
  • ou uma caixa de Puran T4 custa R$ 16,00 e o genérico só R$ 9,00

Veja Também

Por: F.S.Em: 3 de outubro de 2016 | Em Saúde  | Tags: , ,  
Curta no Facebook:

4 respostas para “Diferença entre um remédio genérico e o original”

  1. Faltam só divulgar estas informações de maneira que possa atingir a grande massa de baixa renda da população, o ideal por exemplo, nos intervalos das novelas em todos os canais de TV, com toda a certeza, em pouco tempo os genéricos estariam na preferência da maioria. Isto só seria possível se realmente houvesse intensão de divulgar.

  2. Os genéricos deveriam ter o mesmo composto químico mas não e bem assim que acontece.Adoraria pagar menos pelas medicacoes que uso mas o efeito do generico e muito inferior principalmente nas medicações para estomago, analgésicos e colesterol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *