Toma diclofenaco? Pode estar correndo risco sério de saúde

Tomar medicamentos sem saber direito quais as consequências para sua saúde é muito perigoso. Veja o diclofenaco que parece ser inofensivo e muito bom para várias dores, mas a ANVISA publicou um alerta para que as pessoas tomem cuidado e perguntem ao médico dos perigos,  evitando sofrer pelos efeitos colaterais. Aqui, o alerta é para o diclofenaco injetável se aplicado de forma incorreta.

A necrose acontece pela forma errada de injetar o medicamento ou rompimento de algum vaso sanguíneo, começando com dores fortes no local. Caso o quadro avance, a sequência é a necrose no local da aplicação e de difícil tratamento, ou seja, só fazendo drenagem ou retirando as partes com cirurgia.

Não só o diclofenaco injetável, mas devemos tomar cuidado com todos os medicamentos, como os depressivos que podem viciar, os anticoncepcionais que aumentam o risco de ficar depressivo e tantos outros.

O alerta para o uso do diclofenaco injetável é para qualquer reação ao medicamento, seja imediatamente comunicado para a vigilância sanitária.

Uso do diclofenaco

  • Tratamento de reumatismo
  • Analgésico
  • Anti-inflamatório
  • Antipirética

Cuidado com o diclofenaco injetável

injecao-intramuscular

O problema é com o diclofenaco injetável pode causar lesões no local da injeção, por isso o alerta é para que antes de aplicar sejam avaliados os riscos e só deve ser aplicada via intramuscular por um farmacêutico ou médico.

  • Para amenizar o risco de uma lesão, deve ser ministrado somente via intramuscular profunda na glúteo, na parte superior da nádega
  • Nunca aplicar em outra parte do corpo

A Anvisa alerta para que o médico avalie muito bem a relação benefício/risco no caso de ministrar o diclofenaco injetável. Caso da avaliação se opte pelo diclofenaco, tomar algumas medidas básicas para diminuir o risco de lesão

  • A aplicação deverá ser autorizada exclusivamente por um profissional de saúde e devidamente habilitado
  • Tomar cuidados redobrados com a higiene rigorosa no local, usando álcool.
  • Aplicação somente por injeção IM profunda e na nádega, parte superior
  • Número máximo de injeções diárias é de 2
  • Uma em cada nádega
  • Intervalo de aplicadas entre uma e outra de pelo menos algumas horas
  • Tempo máximo de aplicação é de 2 dias
  • Nunca aplicar no braço, isso pelo músculo deltoide ter menos massa muscular e por isso fica mais vulnerável de vaso de punção
  • Nunca aplicar em região subcutânea pelo alto risco de necrose
  • Ler a bula antes da aplicação

injecoes-aplicar

Ter o cuidado de após a introdução da agulha, realizar a aspiração do êmbolo, certificando-se que ela está fora da luz vascular. Constatado que não houve punção de nenhum vaso, segurar a agulha imóvel até terminar a aplicação.

Caso notar a presença de sangue na agulha ou na seringa, interromper imediatamente a aplicação.

Aplicar lentamente o líquido e sem movimentar a seringa.

Dores estranhas no local da injeção, interromper o procedimento.

Quem não deve tomar diclofenaco

  • Quem tem úlcera gástrica
  • Falência hepática
  • Falência renal
  • Insuficiência cardíaca
  • Crianças
  • Adolescentes
  • Mulheres grávidas

Em qualquer caso acima, só pode usar o diclofenaco em qualquer tratamento, devidamente acompanhado por médico e com tempo reduzido de tratamento.

Um caso grave de necrose entre outros após injeção do diclofenaco

Paciente de 37 anos de idade, submetida ao procedimento de videohisteroscopia para retirada de pólipo endometrial.

 

Ainda na sala de recuperação pós-anestésica, foi medicada com uma ampola (75 mg) de diclofenaco de sódio intramuscular aplicada corretamente no quadrante superior externo da nádega direita, em razão da queixa de cefaléia.

 

Em poucas horas desenvolveu reação local caracterizada por placa eritematosa, dor em queimação, evoluindo com intenso processo inflamatório. Após alguns dias, segui-se de necrose tecidual atingindo pele, tecido celular subcutâneo e músculo.

 

Não apresentou na evolução sinais de infecção, sendo tratada com cuidados locais e desbridamentos cirúrgicos, resultando, após aproximadamente 60 dias, em lesão cicatricial extensa e inelástica.

Outros casos semelhantes já foram registrados. por isso o alerta para os cuidados.

Recomendações da ANVISA:

A Anvisa monitora continuamente os medicamentos e solicita aos profissionais de saúde e pacientes que notifiquem os eventos adversos ocorridos com o uso de qualquer medicamento

.

A comunicação de suspeitas de eventos adversos pelos pacientes pode ser realizada por meio do Formulário de Notificação de Eventos Adversos para o Cidadão ou ainda pelos canais disponíveis para atendimento ao cidadão:

 

Central de Atendimento ao Público e Ouvidoria.

 

Para o profissional de saúde, a Anvisa disponibiliza o sistema Notivisa para a realização das notificações de eventos adversos.

Todo e qualquer medicamento se tomado inadequadamente, sem acompanhamento médico é sempre um sério risco para nossa saúde, porque assim como eles curam, também podem piorar nossa saúde. Pode acontecer de curar um problema de saúde e acabar causando um outro, devido aos efeitos colaterais, todos estão devidamente informados nas bulas.

Por outro lado, só pegar e ler a bula de um simples analgésico e vamos ficar assustados com os alertas dos efeitos colaterais, são tantos que, a dor vai passar só de medo de engolir um. Mesmo assim, é comum tomarmos um comprimido para qualquer dorzinha, que até com um chazinho de uma planta medicinal pode passar. Vários tipos de plantas medicinais já tem comprovação do Ministério da Saúde que fazer muito bem e ajudam no tratamento de doenças.

Por: F.S.Em: 5 de dezembro de 2016 | Em Saúde  | Tags:  
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *